Curso Alimentação vegetariana [2/2019]

  • Área
    Terapia e reabilitação
  • Data
    29 de março de 2019
  • Local
    Lisboa | Espaço Atmosfera M

Curso Alimentação vegetariana [2/2019]

Atualmente, a alimentação vegetariana tem adquirido maior interesse por parte da população devido, por exemplo, a motivações ambientais, éticas ou de saúde. Deste modo, assume-se como fundamental que os nutricionistas, enquanto profissionais de saúde, estejam devidamente habilitados a facultar informações recentes e cientificamente sustentadas nesta área de atuação. Assim, com este curso pretende-se proporcionar aos formandos ferramentas para que estes concedam um aconselhamento alimentar informado, assim como adequado às necessidades energéticas e nutricionais de todos os indivíduos que pretendem retirar ou reduzir alimentos de origem animal do seu quotidiano alimentar.

[INSCRIÇÕES ATÉ: 15/03/2019]

Detalhes do Curso

Destinatários

Nutricionistas ou profissionais com licenciatura conducente à profissão de nutricionista e estudantes de licenciaturas conducente à profissão de nutricionista.

Inscrição

A inscrição inclui:
- 8 horas de formação; material didático; certificado; bloco e caneta
 
Documentos a disponibilizar no ato da inscrição online:
- Certificado de habilitações / cédula profissional (nutricionistas ou profissionais com licenciatura conducente à profissão de nutricionista) ou comprovativo de matrícula (estudantes de licenciaturas conducente à profissão de nutricionista).
 
Pagamento
Associado APN: 125,00€
Não associado APN: 225,00€
 
- A inscrição só é tornada válida após o pagamento do valor da inscrição definido.
- A fatura será enviada por correio, para a morada indicada na ficha de inscrição.
- Em caso de desistência, a devolução do valor da inscrição só é efetuada de acordo com a política de anulação.
- A realização da ação de formação fica dependente de um N.º mínimo de 8 inscrições.
- A APN reserva-se o direito de adiamento ou cancelamento da ação de formação, mediante informação prévia aos formandos.

Metodologia

Os temas serão introduzidos através de uma breve explanação teórica por parte do formador, assente prioritariamente nos métodos expositivo e demonstrativo. Complementarmente, os assuntos serão trabalhados pelos formandos, através da realização de casos práticos, sob a orientação e supervisão do formador, e que permitem uma experimentação prática simulada dos assuntos abordados sob o ponto de vista concetual. O desenvolvimento de atividades de natureza mais prática contribuirá para uma sistematização das aprendizagens desenvolvidas pelos formandos durante as sessões de formação.

Avaliação

No âmbito da avaliação, serão consideradas as seguintes dimensões de análise:
Avaliação de diagnóstico - sem ponderação para a classificação final do formando

A frequência com aproveitamento exige uma frequência efetiva da formação igual ou superior a 90% da carga horária total do curso.

Complementarmente é assegurado um modelo de avaliação do grau de satisfação das partes envolvidas no processo formativo, designadamente:
- Avaliação de satisfação dos formandos
- Avaliação da ação de formação pelo formador
- Avaliação do desempenho do formador pela coordenação pedagógica
- Avaliação da eficácia da formação – acompanhamento pós-formação

Recursos Físicos, Audiovisuais e Pedagógicos

A sala de formação está equipada com mesas e cadeiras adequadas à intervenção formativa e com os seguintes recursos audiovisuais:

- Computador portátil
- Projetor de vídeo
- Tela de projeção
- Flipchart
- Materiais diversos de suporte aos casos práticos.

Os espaços utilizados apresentam condições de dimensão, luminosidade, temperatura e ventilação, bem como, condições de higiene e segurança adequados.

Assiduidade

Frequência efetiva igual ou superior a 90% da carga horária do curso. O controlo da assiduidade dos formandos é efetuado através do preenchimento de um registo de presenças a distribuir pelo formador em cada sessão. Para efeitos de contabilização de presença, permitir-se-á uma tolerância de 15 minutos antes do início da cada sessão.

Equipa Pedagógica

O formador a afetar ao desenvolvimento do curso terá o seguinte perfil de competências:
- Habilitações académicas: habilitações de nível superior, com formação de base ou complementar (nomeadamente decorrente de formação profissional) enquadrada na AEF a intervir;
- Formação pedagógica: portador de Certificado de Competências Pedagógicas (CCP) ou Docente do ensino superior;
- Experiência pedagógica: experiência pedagógica anterior mínima de 3 anos;
- Experiência profissional: experiência profissional relevante na área (critério preferencial);
- Aptidões psicossociais: aptidões que contribuam para a construção de um bom ambiente de formação, como sejam o espírito de cooperação, a facilidade de comunicação e relacionamento, a flexibilidade, a tolerância e a capacidade de auto e hétero-crítica.

Metodologias de Acompanhamento

O sistema de acompanhamento a prosseguir durante a ação de formação tem como objetivos verificar:
- A conformidade na execução e o cumprimento progressivo dos objetivos pedagógicos;
- As alterações provocadas no nível de conhecimento e aprendizagem dos formandos;
- O cumprimento da planificação e estrutura programática do curso;
- A adequação das metodologias pedagógicas às necessidades e expetativas dos formandos;
- A adequação dos equipamentos e recursos pedagógicos às condições de execução da formação;
- O cumprimento do cronograma estabelecido e a assiduidade dos formandos;
- A adesão, reações e nível de satisfação das expectativas iniciais dos formandos em relação à atividade formativa.

Objetivos do Curso

Objetivos gerais
São objetivos do curso dotar os formandos de conhecimentos relativos à alimentação vegetariana no ciclo de vida, bem como, ao fornecimento de refeições vegetarianas na restauração coletiva, nomeadamente no que concerne a documentos técnicos, como ementas e fichas técnicas de refeições.

Objetivos específicos
No final do curso, o formando será capaz de:
- Compreender o conceito e os vários tipos de dietas vegetarianas;
- Conhecer os benefícios e riscos deste padrão alimentar;
- Conhecer os aspetos mais importantes da nutrição e da alimentação vegetariana no ciclo de vida;
- Conhecer o enquadramento legal e os principais guias de orientação relativos ao planeamento de ementas vegetarianas, em contexto de restauração coletiva pública;
- Conhecer e aplicar os princípios de elaboração de uma ementa vegetariana na elaboração da ementa vegetariana semanal;
- Compreender a necessidade da aplicação dos procedimentos de cálculo das necessidades energéticas e nutricionais do grupo-alvo na elaboração de fichas técnicas de pratos de refeições vegetarianas;
- Compreender os procedimentos que envolvem a elaboração de fichas técnicas de pratos de refeições vegetarianas na restauração coletiva;
- Conhecer os pressupostos relacionados com a gestão do fornecimento de refeições vegetarianas em restauração coletiva.

Programa

Dia

Sessão

Horas

Módulo | Temas

Formador

29

1

4h

   Alimentação vegetariana no ciclo de vida

  Sandra Gomes Silva

29

2

4h

   Refeições vegetarianas na restauração coletiva

  Ânia Pinheiro


Sessão 1 | Alimentação vegetariana no ciclo de vida 
- Apresentação
- Conceito de dieta vegetariana e os vários tipos de dietas vegetarianas
- Motivos que levam à adesão a uma dieta vegetariana
- Riscos e benefícios deste padrão alimentar
- Alimentação vegetariana em adultos, crianças, adolescentes, idosos, grávidas e lactantes: nutrientes importantes, fontes alimentares e suplementos
- Alimentos a privilegiar e a evitar num padrão alimentar vegetariano
- Considerações finais
 
Sessão 2 | Refeições vegetarianas na restauração coletiva
- Apresentação
- Contextualização da alimentação vegetariana na restauração coletiva
- Enquadramento legal e guias/orientações aplicáveis
- Princípios de elaboração de uma ementa vegetariana
- Principais fontes proteicas de origem vegetal
- Elaboração de fichas técnicas de pratos vegetarianos
- Elaboração de uma ementa semanal vegetariana
- Gestão do fornecimento de refeições vegetarianas
- Considerações finais